All posts tagged: mandioca

AGRONEGÓCIO: PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL DEIXA OS EFEITOS DA PANDEMIA PARA TRÁS E CRESCE 1,9% ENTRE MAIO E JUNHO.

No comments

De acordo com o site Broadcast Agro,

A produção agroindustrial no Brasil cresceu 1,9% entre maio e junho, apontou o Centro de Estudos do Agronegócio (FGV Agro), em nota. Segundo o levantamento, consolidado no Índice de Produção Industrial do Agronegócio (PIMAgro), este foi o segundo mês consecutivo de expansão do setor, “deixando claro que o fundo do poço da agroindústria realmente ficou em abril”.

O crescimento ocorreu tanto em Produtos Alimentícios e Bebidas (0,8%) quanto em Produtos Não-Alimentícios (4,1%). “Para os Produtos Alimentícios e Bebidas, o mês de junho não foi superior apenas ao mês de maio, e apresentou um volume de produção maior do que no mês de junho do ano passado”, diz o FGV Agro. “Ou seja, para esse segmento, os impactos negativos da pandemia já ficaram para trás.”

O centro de estudos aponta ainda que, de forma agregada, apesar de todas as turbulências, Produtos Alimentícios e Bebidas fecharam o 1.º semestre em campo positivo (leve expansão de 0,2%). “Por trás dessa trajetória de recuperação, merece destaque a contribuição dos programas de transferência de renda, como o auxílio emergencial, e o bom desempenho das exportações de Alimentos e Bebidas.”

Com isso, o FGV Agro reviu para cima as projeções para 2020, reduzindo a contração da Agroindústria de -7,0% para -4,2%.

Fonte: Broadcast Agro

marketing@vmaq.ind.brAGRONEGÓCIO: PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL DEIXA OS EFEITOS DA PANDEMIA PARA TRÁS E CRESCE 1,9% ENTRE MAIO E JUNHO.
Saiba mais

Uma nova variedade de mandioca é capaz de produzir 51% a mais de amido.

No comments

Uma nova variedade de mandioca é capaz de produzir, já no primeiro ciclo, 45% a mais de raízes e 51% a mais de amido. Esse é o desempenho registrado nos experimentos da BRS 420 comparando às cultivares usadas no centro-sul do País, região para a qual a nova raiz foi projetada.

marketing@vmaq.ind.brUma nova variedade de mandioca é capaz de produzir 51% a mais de amido.
Saiba mais

MANDIOCA: EM ALTA Á OITO SEMANAS, PREÇO DA RAIZ ATINGE MAIOR PATAMAR EM UM ANO.

No comments

Os preços da raiz de mandioca estão em alta há oito semanas consecutivas, atingindo, na semana passada, o maior patamar em 12 meses. Segundo pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, esse cenário é resultado da baixa oferta do produto na maior parte das regiões levantadas pela Equipe.

marketing@vmaq.ind.brMANDIOCA: EM ALTA Á OITO SEMANAS, PREÇO DA RAIZ ATINGE MAIOR PATAMAR EM UM ANO.
Saiba mais

MANDIOCA: CHUVAS NAS REGIÕES PRODUTORAS POSSIBILITAM RETOMADA DE TRABALHOS DE CAMPO

No comments

O bom volume de chuvas na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea possibilitou uma retomada dos trabalhos no campo. A maioria dos agricultores priorizou as atividades relacionadas ao plantio, que segue atrasado, em detrimento da colheita, especialmente porque consideram a rentabilidade da mandiocultura desfavorável, devido à pressão sobre as cotações e às sucessivas quedas no teor de amido. Na expectativa de aumento na oferta após as precipitações, parte das empresas que estava com as atividades de moagem interrompidas retomou o processamento, resultando em ligeira melhora na demanda. Com maior interesse comprador, os preços subiram nesta semana na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea. Entre 23 e 27 de setembro, a cotação média semanal a prazo para a tonelada de mandioca posta fecularia foi de R$ 287,13 (R$ 0,4994 por grama de amido na balança hidrostática de 5 kg), leve aumento de 0,04% frente ao valor médio da semana anterior.

Fonte: Cepea

marketing@vmaq.ind.brMANDIOCA: CHUVAS NAS REGIÕES PRODUTORAS POSSIBILITAM RETOMADA DE TRABALHOS DE CAMPO
Saiba mais

MANDIOCA: Confirmado 1º caso de nova doença da mandioca

No comments
Imagem Crédito: Embrapa

A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) registrou no Brasil o primeiro caso da doença Queima-do-fio da mandioca no mundo. Análises moleculares e biológicas identificaram o fungo Rhizoctonia solani AG-1 IA, que ataca a parte aérea da planta, em lavouras no município de Mâncio Lima, na região do Juruá, maior polo produtor de mandioca do estado do Acre

A descoberta foi publicada na revista Australasian Plant Disease, sendo divulgada pelo Portal chinês Agropages. Com essa identificação, coordenada pelo pesquisador da Embrapa Acre Amauri Siviero, é possível avançar nas pesquisas para o melhoramento genético da cultura e recomendação de medidas eficazes de controle da doença.

“Em expedições a campo verificamos que cerca de 10% das plantas dos roçados apresentavam características de queima nas folhagens. A partir de amostras de materiais infectados, coletados em diferentes cultivos, realizamos testes de patogenicidade para caracterização e reprodução dos sintomas da doença em laboratório. Com base no material isolado, foram feitas análises moleculares e biológicas para identificação do fungo (patógeno). Os resultados nos permitiram concluir que essa doença nunca foi relatada na cultura da mandioca em nenhum país”, destaca Siviero.

No Brasil, o fungo Rhizoctonia solani AG-1 IA já foi identificado atacando culturas como o feijão, café, arroz, batata, soja, milho e seringueira, entre outras, sempre associado à queima e apodrecimento de determinada parte da planta (raízes, folhas e sementes). A sua principal forma de disseminação é pela ação do vento.

“A Queima-do-fio da mandioca provoca a necrose de ramos e folhas que escurecem, secam e adquirem aspecto de queimado, como se um lança-chamas tivesse passado pela lavoura. Os sintomas da doença evoluem rapidamente e as folhas lesionadas se desprendem do caule e ficam penduradas por um fio branco, que é o próprio corpo do fungo”, explica Siviero.

“Devido à predominância de surtos situados ao lado de extensões florestais, acreditamos que o fungo pode ter migrado de plantas hospedeiras, do interior da mata, para as lavouras. Outra hipótese é que esse patógeno tenha sofrido um processo de especialização como parte do processo natural de evolução para se adaptar a novos hospedeiros”, analisa o cientista.
Fonte: Agrolink

marketing@vmaq.ind.brMANDIOCA: Confirmado 1º caso de nova doença da mandioca
Saiba mais

MANDIOCA: Média semanal atinge o menor patamar desde junho de 2016

No comments

O valor médio semanal da tonelada de mandioca posta fecularia registrado entre 16 e 20 de setembro, de R$ 287,00 (R$ 0,4991 por grama de amido na balança hidrostática de 5 kg) foi o menor, em termos nominais, desde junho de 2016 e 3% inferior ao da semana anterior. Essa foi também a nona queda semanal consecutiva dos valores. Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário reflete a demanda enfraquecida pela matéria-prima, visto que grande parte das fecularias segue restringindo a moagem, enquanto outras continuam com as atividades interrompidas. Do lado produtor, os trabalhos de campo, principalmente a colheita, foram limitados pela estiagem em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea – apenas o plantio (e/ou replantio), que está atrasado, ocorreu em alguns dias.


Fonte: Cepea

marketing@vmaq.ind.brMANDIOCA: Média semanal atinge o menor patamar desde junho de 2016
Saiba mais

MANDIOCA : Demanda enfraquecida pressiona cotações!

No comments

Os preços da mandioca recuaram na semana passada, de acordo com informações do Cepea. Parte das empresas limitou a moagem nesta semana, devido à fraca demanda industrial – algumas até interromperam o processamento, diante dos atuais níveis de estoques, que são considerados altos. Entre 9 e 13 de setembro, a média a prazo para a tonelada de mandioca posta fecularia foi de R$ 295,90 (R$ 0,5146 por grama de amido na balança hidrostática de 5 kg), baixa de 1,7% em comparação com o preço médio da semana anterior. Em quatro semanas, também segundo dados do Cepea, a queda é de 4,5%.

Fonte: Cepea

marketing@vmaq.ind.brMANDIOCA : Demanda enfraquecida pressiona cotações!
Saiba mais

FARINHAS: Missão chilena no Brasil busca habilitar setor de farinhas

No comments

Começou nesta segunda-feira (02/09) e vai até o dia 17 de setembro a Missão Chilena que está visitando as indústrias brasileiras de farinhas e gorduras de origem animal.

A Associação Brasileira de Reciclagem Animal (Abra), junto com o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Servicio Agrícola y Ganadero (SAG) do Chile, organizou e acompanha a Missão que tem como objetivo renovar ou habilitar estabelecimentos de farinhas e produtos gordurosos de origem animal para exportar para o Chile.

Serão visitadas indústrias de reciclagem animal nos estados do  Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo e Mato Grosso.  Dois roteiros definidos.  O gestor de Mercado Interno Marcell Porto e Castro vai acompanhar o  Médico Veterinário Henrik Merino  -SAG/Chile. Já o gestor de Mercado Externo   Juliano Hoffmann acompanha o trabalho da Médica Veterinária Minda Sánchez- SAG/Chile.  

O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento recebeu a missão em Brasília.  A reunião inicial foi com a equipe do DIPOA coordenada pelo Chefe da divisão de auditorias internacionais/ DIPOA  Fábio Coelho.
Fonte: Agrolink

marketing@vmaq.ind.brFARINHAS: Missão chilena no Brasil busca habilitar setor de farinhas
Saiba mais

MANDIOCA: APESAR DA OFERTA REDUZIDA, PREÇO MÉDIO RECUA 1,8% EM AGOSTO

No comments

Os preços da mandioca vêm apresentando comportamentos distintos dentre as regiões acompanhadas pelo Cepea. Segundo colaboradores, nas praças com maior concentração industrial e naquelas que precisam se abastecer em áreas mais distantes, as cotações subiram levemente, enquanto que nas regiões com maior estoque e consequentemente menor demanda, os valores recuaram. De 26 a 30 de agosto, a média semanal a prazo para a tonelada de mandioca posta fecularia foi de R$ 309,54 (R$ 0,5383 por grama de amido, na balança hidrostática de 5 kg), ligeira queda de 0,08% frente à da semana anterior. Na média de agosto, as cotações recuaram 1,8% frente a julho, reflexo da demanda enfraquecida ao longo de todo o período – a moagem diminuiu 38% no acumulado do mês, a menor desde janeiro.

Fonte: Cepea

marketing@vmaq.ind.brMANDIOCA: APESAR DA OFERTA REDUZIDA, PREÇO MÉDIO RECUA 1,8% EM AGOSTO
Saiba mais

“Sinal é extremamente positivo para o Agronegócio”

No comments

O senador Luis Carlos Heinze (Partido Progressista) afirma que o Brasil vive hoje uma “oportunidade única” em todas as áreas fundamentais para o crescimento do País. “Tenho visto um sinal extremamente positivo para o Agronegócio”, afirmou ele durante sua presença na 42ª edição da Expointer, que ocorre essa semana em Esteio (RS).

“Nunca havíamos conseguido aprovar uma reforma da Previdência Social como essa que fizemos agora. Esse ano também deve andar a reforma Tributária, que é muito importante para o Brasil. A reforma trabalhista também é importantíssima. Começou no governo anterior E vai avançar agora, como reajustes em normas que vão estimular a geração de novos empregos. Isso vai fazer com que o País ande para frente, porque não está andando ainda, pois são muitos obstáculos”, disse Heinz. 

Segundo o senador, os avanços estão ocorrendo no governo do presidente Jair Bolsonaro porque o governo “permite que ocorram”. “O Ministério do Meio Ambiente agora está facilitando para que o Agronegócio possa trabalhar, e não está mais prejudicando. O governo Bolsonaro ainda está facilitando iniciativas na área da infraestrutura, agilizando licenças ambientais no Ibama para a instalação de usinas de geração de energia hidrelétrica”, revelou ele em entrevista ao Portal chinês Agropages.

“Também a ministra Tereza Cristina está mostrando ao mundo as questões do meio ambiente, que não está sendo destruído, como muitas ONGs (Organizações Não Governamentais) querem fazer o mundo acreditar. Eles têm interesses nisso, e nossos próprios concorrentes internacionais no Agronegócio também. O Brasil tem a maior agricultura tropical do planeta, e nossa ministra está mostrando ao mundo que é o país que mais preserva a natureza”, sustentou Heinze.

“Também estamos desmistificando a questão dos defensivos agrícolas. Temos a nova Lei dos defensivos agrícolas nos quais a atual ministra Tereza Cristina trabalhou quando era deputada federal, eu mesmo também já contribuí. É uma legislação que vai ser aprovada, juntamente com todas estas tantas outras mudanças importantes para a agricultura brasileira”, conclui.

Fonte: Agrolink

marketing@vmaq.ind.br“Sinal é extremamente positivo para o Agronegócio”
Saiba mais